Contraste

Você está aqui: Página Inicial > Notícias > Esportes > Esporte Clube A União: leia a matéria especial e veja os arquivos históricos

Notícias

Esporte Clube A União: leia a matéria especial e veja os arquivos históricos

Veja aqui alguns dos arquivos do nosso jornal sobre o clube de futebol

por Iago Sarinho*


Entre os anos 1930 e 1970, especialmente no período entre 1963 e 1968, um time se destacou como grande formador de novos talentos para o futebol da Paraíba, o Esporte Clube União que surgiu vinculado ao Jornal A União que, já naquela época, era um dos principais do estado. A data de sua criação da equipe que vestia as cores rubro-negras é divergente, mas ela é atribuída ao período entre os anos 1935 e 1941.

O site Futebol Nacional, importante depositório de informações sobre os clubes da modalidade no Brasil, registra como data de criação o dia 1º de maio de 1935 - dia do trabalhador - e também aponta a participação da equipe em 21 edições do Campeonato Paraibano (1936-1939, 1945-1947, 1953-1955 e 1962-1972) em concordância com a Rec. Sport. Soccer Statistics Foudation, organização internacional que registra dados estatísticos sobre o futebol em todo o mundo.

A equipe inicialmente surgiu como um clube vinculado ao Jornal A União e mantido por funcionários. É importante notar que naquele período, a maior parte dos times ainda eram amadores, o Cabo Branco – maior campeão do estado entre 1915 e 1943 -, por exemplo, só contava com atletas filiados ao clube e em dia com suas obrigações financeiras relativas à agremiação. É nesse cenário que o Esporte Clube União se instala e começa a disputar competições no estado, contando com relativo sucesso e agregando para a sua história três títulos do Torneio Início – competição que abria o certame estadual – nos anos de 1936, 1945 e 1969.

Com a criação da Comissão Nacional de Desportos, através do Decreto-lei n° 3.199, de 1941 que durante o Estado Novo de Getúlio Vargas, passou a institucionalizar e forçar a profissionalização do futebol brasileiro. A partir disso, surgiu como fenômeno a criação e organização de clubes ligados às fábricas, indústrias e empresas, na Paraíba não foi diferente e são bons exemplos disso, o Sol Levante, o Dolaport e o União que, mesmo sendo criando antes da legislação, já surgiu a partir do novo modelo que surgia para o futebol a partir de mudanças iniciadas no final dos anos 1920 em São Paulo e no Rio de Janeiro - capital federal na época -.

Com essas mudanças, algumas equipes como o Cabo Branco e Palmeiras – primeiro campeão paraibano de futebol em 1919 -, foram abandonando aos poucos o futebol por não se adequarem ou não concordarem com a profissionalização do esporte. Essa transição extinguiu equipes, assim como também abriu o cenário para que novos times como Botafogo e Auto Esporte aproveitassem o vácuo para se consolidar no cenário local, especialmente na capital.

União de Costeira

No período em que esteve ativo, não foi possível precisar qual era o regime de vinculação dos atletas ao clube, exceto a partir dos anos 1960, quando a equipe passa a ser gerenciada por Manoel Costeira Neto que foi gerente do setor gráfico de A União entre os anos 1950 e 1970. Com ele o clube elevou seu patamar dentro e fora do campo, incluindo receitas de empresas que forneciam insumos ao jornal e que passaram a contribuir com o clube. Sob a nova administração, o Esporte Clube União passou a ser conhecido como o União de Costeira e foi a partir desse período que o clube voltou suas atenções para a contratação de novos atletas, estes, em sua maioria, eram empregados nos setores gráficos e administrativos da empresa, alguns até mesmo na redação como revisores e linotipistas.

A maior parte dos novos jogadores vinha de equipes amadoras como a Portuguesa de Cruz das Armas ou de equipes mais frágeis do nível profissional como o Red Cross. O campo de treinamento era o do ABC em Jaguaribe, onde hoje se encontra a tradicional feira pública que acontece todas as quartas. Foi assim que entre 1963 e 1972 a equipe se consolidou no cenário local e revelou craques e grandes jogadores como Fernando Freire, Valdeci, Naná, Mineiro, Lando, Ferretti, Celso, Paulo Fóba, Juca, Farias e Delgado.

Miguel Maurício de Almeida, o Mineiro, hoje com 74 anos, foi um dos principais jogadores da equipe entre os campeonatos de 1963 e 1967 e depois retornando para jogar o Torneio Inicio do paraibano de 1969, último título da equipe. Para Mineiro, jogador de grande qualidade técnica e estilo, esse foi um período de grandes jogos, amor ao clube e esforço para combater os grandes do futebol local, tudo isso capitaneado por costeira.

“Eu jogava pela Portuguesa nos campeonatos amadores, mas quando acabou o campeonato em 1962, o time vendeu todo mundo e aí eu fui para a União, pois disseram que eu tinha virado jogador profissional e que agora teria um emprego, não entendi muito bem na época e fiquei desconfiado, mas Costeira me convenceu. Ele ao longo do tempo que estive lá era um verdadeiro pai para todos nós, fazia de tudo pelo time e foi o responsável por organizar aquela equipe que deu muito trabalho para os times tidos como grandes na Paraíba”, afirmou.

A partir de 1967, a União iniciou a formação de seu quadro funcional e com a transição do governo de João Agripino para Ernâni Sátiro em 1971, Costeira perdeu sua função no Jornal e em 1972 a equipe jogou seu último campeonato estadual para não mais retornar ao futebol profissional da Paraíba. O Jornal e parte dos atletas que seguiram como funcionários da empresa até sua aposentadoria, ainda disputaram posteriormente campeonatos fabris, mas já sem a organização enquanto clube. Aqueles que decidiram seguir no futebol passaram a ingressar elencos dos principais times da Paraíba e também dos estados vizinhos, especialmente Pernambuco.

O Esporte Clube União é uma das equipes mais icônicas do futebol paraibano, o time do Jornal A União reuniu diversos jogadores de equipes amadores e menos poderosas do futebol profissional, montando assim um elenco que deu trabalho aos principais clubes da Paraíba e que adorava enfrentar equipes de fora do estado, especialmente as de Pernambuco. Para isso, fazia uso de um bom meio campo com Mineiro e Paulo Fóba e no ataque contava com os gols de Farias e a classe de Henrique Delgado.

O ápice do clube sem dúvida alguma ocorreu nos anos 1960, foi nessa época que sob a organização de Costeira a equipe tomou forma, contratou jogadores e montou um elenco forte. Uma das características da equipe era ser destemida, algo que segundo os atletas da época era estimulado pelo “dono do time” que em meio a um de seus rompantes após uma série de derrotas no campeonato de 1966, promoveu o repórter do Jornal A União, Ivan Bezerra para a condição de treinador da equipe – falecido em maio do ano passado, Ivan foi um dos principais cronistas esportivos da história da Paraíba, em especial pela Rádio Tabajara, ele também treinou equipes de futsal no estado -.

A mudança deu certo e a equipe voltou a vencer. Nesse ano, inclusive, a União foi a única equipe a não ser derrotada pelo poderoso esquadrão do Treze que foi campeão invicto em 1966. Nos confrontos entre o Galo e o time rubro-negro, foram dois empates em 2 a 2 um no Presidente Vargas em Campina Grande  e outro no Estádio Olímpico de João Pessoa, onde hoje encontra-se a Vila Olímpica Parahyba, antigo Dede.

Quem relembra esse episódio é o ex-goleiro Inácio Montenegro, o Naná que teve passagens pelo Red Cross e posteriormente pelo Botafogo, ele se aposentou trabalhando na edição do Diário Oficial, rodado na gráfica de A União. Hoje com 74 anos, ele reforça a vontade que o time tinha dentro de campo, as cobranças e ao mesmo tempo o cuidado por parte de Costeira com os jogadores e principalmente os grandes jogos contra as principais equipes da região, onde o time costumava fazer grandes exibições.

“Costeira foi uma pessoa que dedicou toda a sua vida ao esporte do estado, eu nunca tinha buscado virar profissional, o futebol para mim era uma brincadeira, mas aceitei o emprego aconselhado por meu pai e saí do Red Cross para agarrar pela União – onde trabalhou por 49 anos -. Nesse período montamos um grande time e batemos de frente com qualquer time da época, especialmente quando o jogo era contra o Botafogo, Campinense ou Treze, pois com esses a motivação de provar nossa qualidade era ainda maior”, afirmou Naná.

Para Paulo Fóba, independente disso, o Esporte Clube União deixou sua marca na história do futebol paraibano como uma equipe que desafiou os grandes da Paraíba e dos estados vizinhos. Um time que encantou pela qualidade do futebol que apresentava e por ter revelado grandes jogadores com destaque para Farias, artilheiro por vários times paraibanos e que jogou no futebol de Portugal onde reside até hoje, Ferreira que chegou na equipe com 17 anos e jogou no Santos com Pelé, Miruca que jogou no São Paulo-SP e Henrique Delgado que chegou a jogar pelo Corinthians-SP.

“Nós fizemos história aqui no futebol da Paraíba. Tínhamos um grande time, que jogava bonito e que dava prazer de fazer parte. A gente impunha respeito, encaravamos Treze, Campinense, Botafogo e Auto Esporte sem medo, assim como os times de Pernambuco (Sport, Náutico e Santa Cruz), vencemos eles várias vezes, o quarto time de Recife, que é o América, esse nem aguentava jogar mais contra a gente”, relembrou com alegria Paulo Fóba.

Henrique Delgado, o maior craque

Em meio a essa história de tantos jogos, triunfos, gols e alegrias, uma história triste acabou abalando vitimando um dos principais, senão o maior craque que vestiu a camisa do Esporte Clube União. A data não é precisa, mas estima-se que em 1974, Henrique Delgado quando retornou à Paraíba, após jogar por diversos clubes do Brasil, foi vítima de um assassinato, no centro de João Pessoa, as razões para o episódio até hoje são inconclusivas. Mesmo passados mais de 40 anos de sua morte, Delgado ainda é vivo na memória de diversos ex-atletas e cronistas esportivos paraibanos.

Nascido em 10 de maio de 1934 em Esperança, ele passou pelos principais clubes do estado e partiu para ganhar o futebol brasileiro como revelou Francisco de Lorenzo Serpa em sua coluna semanal no Jornal A União. Segundo o radialista Eudes Toscano, em seu livro “Tirando de letra”, Delgado marcou 108 gols em sua carreira e tratava-se de um jogador exuberante, de rara técnica e qualidade. Sob o olhar de quem teve a tido a oportunidade de jogar ao seu lado, Paulo Fóba ajuda a dimensionar o tamanho da qualidade desse que foi um dos principais jogadores do futebol paraibano.

 “Jogar com Delgado era um luxo, um prazer inigualável. O time da União teve grandes jogadores, mas nenhum como ele. Para nós do meio campo era uma tranquilidade, nós sabíamos que o desafio era fazer a bola chegar nele e o resto estaria resolvido, pois ou ele marcaria ou nos entregaria de volta na cara do gol e foi assim que fiz muitos. Ele sem sombra de dúvidas foi o melhor jogador que eu vi jogar”, afirmou.

RGP9486.JPG

RGP9489.JPG

RGP9490.JPG

RGP9491.JPG

RGP9493.JPG

RGP9495.JPG

RGP9498.JPG

RGP9500.JPG

RGP9501.JPG

RGP9504.JPG

RGP9505.JPG

RGP9507.JPG

RGP9510.JPG

RGP9511.JPG

RGP9514.JPG

RGP9515.JPG

RGP9517.JPG

RGP9519.JPG

RGP9522.JPG

RGP9523.JPG

RGP9526.JPG

RGP9528.JPG

RGP9530.JPG

RGP9531.JPG

RGP9534.JPG

RGP9536.JPG

*publicado originalmente na edição impressa de 10 de novembro de 2019

BR 101 - KM 03 - Distrito Industrial - João Pessoa-PB - CEP: 58.082-010
CNPJ 01.518.579/0001-41