Contraste

Você está aqui: Página Inicial > Notícias > Colunistas > André Cananéa > ‘O Irlandês’ é Coq au Vin em restaurante fast food

Notícias

‘O Irlandês’ é Coq au Vin em restaurante fast food

por publicado: 11/12/2019 10h21 última modificação: 11/12/2019 10h36


O Irlandês, novo filme do diretor Martin Scorsese, é muita coisa. É uma obra-prima, ponto pacífico entre a crítica, que não tem poupado elogios ao épico de máfia, quinto filme do diretor a abordar o tema (Caminhos Violentos, Os Bons Companheiros, Cassino e Os Infiltrados são os outros quatro). É uma reunião de velhos amigos (Roberto De Niro, Joe Pesci, Harvey Keitel) e um novo amigo velho (Al Pacino) - todos com mais de 75 anos (Scorsese é o caçula, com 77; Keitel, o mais velho, com 80).

É um olhar maduro, mais humano, reflexivo e duro sobre homens que fizeram a máfia atuar (aqui, por trás do Sindicato Nacional dos Motoristas de Caminhão  dos EUA, uma história baseada em fatos reais) e, por isso mesmo, menos glamouroso que os filmes anteriores do diretor. E é, também, sobre a busca por redenção.

Máfia é um tema caro tanto ao diretor, quanto ao trio de atores principais. De Niro, que também é produtor de O Irlandês, foi o que mais frequentou a casa: fez quase todos os filmes de máfia de Scorsese, com exceção de Os Infiltrados, que é o menos “máfia clássico”, vamos colocar assim. Em O Poderoso Chefão II, foi o Vito Corleone jovem (neste filme, ele divide os créditos com Al Pacino, mas os dois não se encontram em cena). Fez também Era uma Vez na América, de Sergio Leone, e A Família, de Luc Besson. E foi ninguém mais, ninguém menos que Al Capone em Os Intocáveis. É tão familiar ao tema que chegou a fazer uma comédia, Máfia no Divã, por duas vezes.

De Niro chegou até a dirigir um filme sobre máfia, Desafio no Bronx, em que também atua, e ao lado de Joe Pesci. Este, por sua vez, fez três, dos cinco filmes de máfia de Scorsese, sempre reencontrando De Niro. E Pacino, embora seja a primeira vez que trabalha com Scorsese, tem no currículo dois personagens ícones do tema: Michael Corleone, que ele deu vida nos três O Poderoso Chefão, e Tony Montana, de Scarface, além de, vez ou outra, reaparecer no gueto da máfia (vide Donnie Brasco).

O Irlandês, por tanto, é fruto de um time que domina, e como, o metiê! Penso que só Scorsese poderia ter feito um filme assim, reunindo um trio de atores que, nas mãos de outro realizador, poderia apenas repetir o que têm feito há décadas, mas aqui encontram brechas para trilhar novos caminhos, novas maneiras de atuar e, ainda, emprestar aos seus personagens a credibilidade que eles exigem.

A linha mestra que move a trama é conduzida por Frank Sheeran (De Niro), um caminhoneiro que, paulatinamente, vai se aproximando do trabalho sujo da máfia. Ele narra o filme, em flashbacks. Ao contrário dos outros papéis do ator, neste ele está sereno, obediente. É um soldado que “pinta parede”. Saiu do comando para ser comandado.

É apadrinhado por Russell Bufalino (Pesci), um dos chefões locais. Pesci, que sempre viveu personagens histriônicos (de Esqueceram de Mim a Máquina Mortífera, passando pelos filmes anteriores de Scorsese), neste ele está contido, sereno. É quase uma entidade, um misto de Yoda com Dom Vito Corleone (vivido por Marlon Brando no filme de Coppolla).

O caminho dessa dupla vai se cruzar com o poderoso chefe do citado sindicato de motoristas de caminhão, Jimmy Hoffa (Pacino), personagem real que já foi vivido por Jack Nicholson em Hoffa - Um Homem, Uma Lenda (dirigido por Danny DeVito). Em um “extra” de 23 minutos disponibilizado pela Netflix, Martin Scorsese diz não saber que fim levou Hoffa, figura pública de grande vulto na América entre o final dos anos 1950 e início dos 1970, e que comprou a tese do escritor Charles Brandt, cujo livro I Heard You Paint Houses (Ouvi Dizer que Você Pinta Casas, em tradução livre, mas lançado no Brasil com o título de O Irlandês em 2016, com reedição prevista para este mês pela Seoman).

Martin Scorsese fez um filme brilhante. Um Cinema com C maiúsculo, para ser estudado nas aulas de cinema e dissecado por quem diz gostar da sétima arte. Meses atrás, o diretor disse, mais de uma vez, que os filmes produzidos pela Marvel não eram cinema. O Irlandês reforça essa tese. Afinal, ele é uma coisa, Vingadores Ultimato, por exemplo, é outra. E não se trata de ser bom, ou ser ruim. Se trata de que um segue por uma estrada, outro, por outra. E essas estradas raramente se cruzam.

A consistência das falas, as múltiplas dimensões dos personagens, as sutilezas que amarram os laços  de amizade fazem do filme de Scorsese um biscoito fino, algo que transcende o entretenimento da Marvel. O Irlandês é uma experiência sensorial que necessita de imersão, não de dispersão, por isso críticos, diretor e elenco têm pedido que o público não veja o filme na tela do celular, cuja dispersão é fácil de acontecer, sobretudo em um filme que exige 3h30 de dedicação.

O Irlandês não foi lançado oficialmente nos cinemas. É uma produção da Netflix e estreou direto no serviço de streaming. Como Roma, de Alfonso Cuarón. Eu tenho dito que no ambiente da Netflix, o filme de Scorsese é Coq au Vin em um cardápio da McDonald’s. Quase todo mundo come fast food, mas para saborear um prato refinado de alta gastronomia, é preciso ter paladar apurado. O mesmo se aplica aqui, com o filme de Scorsese. Mas para apurar os sentidos para produções como esta, basta dedicação, estudo, boa vontade e um bom “cinema em casa”.

*publicada originalmente na edição impressa de 10 de dezembro de 2019

BR 101 - KM 03 - Distrito Industrial - João Pessoa-PB - CEP: 58.082-010
CNPJ 01.518.579/0001-41