Contraste

Você está aqui: Página Inicial > Notícias > Paraíba > Berg Lima divide cela com preso no 5º Batalhão da PM, no Valentina

Notícias

Berg Lima divide cela com preso no 5º Batalhão da PM, no Valentina

por publicado: 07/07/2017 00h05 última modificação: 07/07/2017 08h20
Facebook/5º Batalhão de PM da PB O prefeito afastado de Bayeux tem direito a uma hora de banho de sol e ocupa cela com cama individual, televisão e ventilador

O prefeito afastado de Bayeux tem direito a uma hora de banho de sol e ocupa cela com cama individual, televisão e ventilador


Cardoso Filho

O prefeito afastado de Bayeux, Berg Lima, está preso no quartel do 5º Batalhão da Polícia Militar, no bairro do Valentina Figueiredo, em João Pessoa. Segundo o comandante da unidade militar, tenente coronel Arilson Valério, o prefeito de Bayeux está numa cela com outro preso de Justiça. Berg Lima foi preso em flagrante na quarta-feira (5) pelo crime de corrupção passiva.

O comandante Valério informou que na cela existe uma cama individual, uma televisão, um ventilador para cada preso, com direito a uma hora de banho de sol. “Devido à chuva, não houve o banho de sol”, esclareceu. Nessa quinta (6), segundo o tenente coronel, o prefeito Berg Lima acordou cedo, tomou café e manteve a rotina normal durante todo o dia. Ele disse também que no 5º BPM o tratamento aos presos é igualitário. “Não existe discriminação”, afirmou.

Inicialmente, Berg Lima foi levado do Fórum Criminal, após a audiência de custódia, para o Centro de Educação da Polícia Militar, em Mangabeira. No entanto, o coronel José Ronilson, comandante do CE alegou que o local não possui cela e, portanto, o preso não poderia ficar recolhido. A transferência do prefeito aconteceu imediatamente para o 5º Batalhão da PM.

Inquérito é instaurado

A Promotoria do Patrimônio Público de Bayeux instaurou nessa quinta (6) um inquérito civil público para apurar a conduta do prefeito afastado de Bayeux, Berg Lima, preso na quarta-feira (6), sob o aspecto da defesa do patrimônio público e probidade administrativa. Berg Lima foi preso em flagrante por suposta prática de extorsão, durante operação do Grupo de Atuação Especial Contra o Crime Organizado (Gaeco), do Ministério Público da Paraíba, e da Polícia Civil, e afastado do cargo por decisão do Tribunal de Justiça.

De acordo com a promotora de Justiça Fabiana Lobo, embora o aspecto criminal do caso seja atribuição da Procuradoria-Geral de Justiça, o aspecto cível é de atribuição da Promotoria do Patrimônio. Ela vai solicitar ao Gaeco cópias da documentação que motivou a prisão do gestor.

O Tribunal de Justiça também decretou a prisão preventiva do prefeito. Segundo os autos, o prefeito exigiu e recebeu quantia da Empresa Sal & Pedra Restaurante Receptivo, através do proprietário da empresa, João Paulino de Assis. A quantia teria sido paga em três ocasiões distintas, nos meses de abril, junho e julho, nos valores de R$ 5 mil, R$ 3 mil e R$ 3,5 mil, respectivamente, totalizando R$ 11,5 mil, tendo o gestor recebido pessoalmente esses valores.

Ainda segundo a promotora, o inquérito civil poderá resultar em ação civil pública por improbidade administrativa contra o prefeito afastado. Segundo a Lei de Improbidade Administrativa (Lei 8.429/1992), o responsável pelo ato de improbidade pode ser condenado a perda dos bens ou valores acrescidos ilicitamente ao patrimônio, ressarcimento integral do dano, quando houver, perda da função pública, suspensão dos direitos políticos de oito a dez anos, pagamento de multa civil de até três vezes o valor do acréscimo patrimonial e proibição de contratar com o poder público ou receber benefícios ou incentivos fiscais ou creditícios, direta ou indiretamente, ainda que por intermédio de pessoa jurídica da qual seja sócio majoritário, pelo prazo de dez anos.

Av. Chesf - Distrito Industrial, 451. João Pessoa - PB. CEP 58082-010
CNPJ 09.366.790/0001-06